O uso de enzimas para o tratamento de efluentes

Nos últimos tempos, tem sido uma pratica bastante comum o uso de enzimas para o tratamento de efluentes.

E isso se deve ao fato de que são exigidas soluções que gerem menos impactos ao meio ambiente e a saúde humana no que diz respeito ao descarte de águas residuais.

E essa preocupação é ainda maior no caso de águas residuais contendo altos teores de lipídeos, tais como os que provém de produtos lácteos ou enlatados, da extração de óleos, de avícolas, etc.

O que acontece é que esses lipídeos trazem sérios prejuízos para as indústrias e também geram danos aos processos dos Sistemas de Tratamento de Efluentes.

Mas por qual ou quais motivos?

Dentre os motivos para isso temos a formação de lodos ao haver uma acúmulo desses lipídeos. E como esse lodo tende a passar por um processo de flotação na água, o que acontece é que a atividade hídrica acaba por ser prejudicada.

No caso dos locais de tratamento de efluentes (como lagoas de estabilização) por exemplo, a elevada concentração de lipídeos nos efluentes faz com que haja um aumento de retenção hidráulica deles ali.

Assim, as empresas e indústrias tem buscado por alternativas que ajudem a reduzir esse poluentes, que gerem baixos impactos ambientais e também que seja alternativas com boa viabilidade econômica. A solução é encontrada na biotecnologia, com o uso de enzimas para o tratamento de efluentes: as lipases.

As lipases, então, fazem a redução dos lipídeos encontrados nessas águas residuais.

 

Como funciona esse processo com as lipases? E quais são os benefícios?

Em suma, as lipases são enzimas que biocatalisadoras que atuam nas reações químicas que os lipídeos possam sofrer.

Essas enzimas possuem a capacidade de hidrolisarem gorduras e óleos, como os eliminados nos exemplos mencionados (produtos lácteos, extração de óleos, etc). Assim, para o tratamento de efluentes que possuem um elevado teor de gordura elas tornam-se uma importantes auxiliadoras.

As lipases conseguem reduzir os níveis de sólido que ficam suspensos e também reduzem os lipídeos.

E isso beneficia na hora de fazer o tratamento biológico de efluentes através de meios como o processo anaeróbio. Sem contar que, por ainda desobstruir os filmes de tubulações, ajuda na preservação do bom funcionamento dos equipamentos também.

 

Principais vantagens dessa solução

Com tudo isso, essa alternativa de tratamento de efluentes apresenta algumas vantagens, tais como a não geração de produtos tóxicos, uma vez que é possível fazer o controle dos produtos devido a ser algo específico.

Temos também como benefício a redução de custos, já que esse processo exige pouco em equipamentos e em energia. E esse último benefício torna esse processo ainda mais atrativo.

E uso de enzimas para o tratamento de águas residuais pode ser feito tanto em indústrias agroindustriais quanto também em águas residuais domiciliares.

 

Principais aplicações de enzimas para o tratamento de efluentes

Vejamos a seguir alguns exemplos de como e onde o uso de enzimas para o tratamento de efluentes pode auxiliar:

– Traz benefícios para a aquicultura, fazendo a redução do lodo contido no fundo de lagos e de tanques;

– Redução de lodo localizado no fundo de lagoas de aeração ou lagoas anaeróbias;

– Outra aplicação desse processo é para a reabilitação dos locais de tratamento de efluentes (lagoas de estabilização);

– O uso dessas enzimas pode também auxiliar no desentupimento de sistemas sépticos, reatores anaeróbios e aeróbios e de fossas através do lançamento de lodo;

– Por fim, ainda temos como benefício a redução de odores em abatedouros, granjas e em áreas de compostagem por meio da aplicação desse processo que usa enzimas para o tratamento de efluentes.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *